Cheias de brilho

As joias são eternas e geram um encantamento único.
Talvez tenha sido por isso que essas jovens designers de joias estão se destacando cada vez mais nesse concorrido mercado. Afinal, elas conseguem transmitir para suas criações
exatamente aquilo o que nós, mulheres, sempre sonhamos para uma joia.

Por Cibele Carbone
Fotos Daniel Cancini

 

PATRÍCIA E PRISCILA AL WAHCH
Paixão por diamantes

Desde pequenas, as irmãs Patrícia e Priscila chegava com os lotes de diamantes e mostrava para gente. De uma forma lúdica, fomos aprendendo a identificar e classificar cada um deles”, conta Patrícia. Mas ambas resolveram seguir carreiras que não eram ligadas a esse universo glamouroso. “Eu me formei em Desenho Industrial e Economia e minha irmã em Publicidade e Administração”, revela Priscila. E apesar de estarem bem posicionadas em suas áreas de trabalho, elas sentiam que faltava algo que as deixasse 100% felizes e satisfeitas. Há quatro anos, as duas irmãs resolveram transformar o grande prazer em um grande negócio. “Quando a gente teve esse start, passamos por todo um processo de migração. Começamos a trabalhar de casa mesmo para ver se tudo ia dar certo”, comenta Priscila, que é a responsável pelo design das coleções da Al Wahch.

O resultado foi um só: as amigas da família se apaixonaram pelas criações da dupla e passaram a indicar para outras pessoas. De casa, elas levaram o ateliê para uma cobertura na Oscar Freire, que também já está ficando pequena para acomodar o show room da marca. “Nosso negócio hoje se movimenta, basicamente, pelo boca a boca, da indicação de clientes satisfeitos que recomendam para outras pessoas vivenciarem essa experiência que é escolher e comprar uma joia”, revela Patrícia.

 

 

CLÁUDIA KECHICHIAN
Joias com toque fashion

Ela é neta de joalheiros e, desde pequena, já sabia que essa seria a carreira que seguiria quando crescesse. “Com o passar do tempo, despertou ainda mais a vontade de fazer algo que trouxesse beleza, poder e tivesse a ver com moda”, conta Cláudia Kechichian. E foi assim que ela abandonou a carreira de economista – que seguia ao lado do pai – para trilhar os passos do avô. “Conversando com minha mãe, resolvi viajar para o exterior e seguir a profissão do meu avô.

Foi quando tudo definitivamente começou, por volta do ano 2000.” Quase dez anos depois de ter ingressado na área, ela viu que era hora de abrir seu próprio ateliê, que já existe há cinco anos no bairro de Higienópolis. Criadora de peças que deixam qualquer uma boquiaberta, Cláudia revela que busca inspiração justamente na história de grandes mulheres. “Se minhas joias não são sobre mulheres poderosas, são sobre histórias poderosas.”

Cláudia também virou queridinha das fashionistas devido à sua parceria com o badalado estilista Samuel Cirnansck, durante as duas últimas temporadas do São Paulo Fashion Week. “Nossa parceria se deu de uma forma natural: temos uma maneira de criar muito parecida e nos entendemos muito bem.

Para nós, estar ao lado de um estilista do porte do Samuel, num dos maiores eventos de moda do mundo, é gratificante e coloca nossa marca em outro patamar. Queremos buscar esse público. É importante posicionar a joia como um item de luxo, sim, mas que também tem um toque fashion e pode ser usada em superproduções, além de festas e eventos sociais”, conta Cláudia, que este ano quer  firmar a marca no mundo da moda para depois expandi-la para o mercado internacional.

 

 

KIKA RUFINO
Foco no design

O ateliê de Kika Rufino foi aberto em 2010, mas o interesse pelo design de joias surgiu bem antes, quando cursava a Faculdade de Arquitetura da USP. “Eu sempre me pergunto de onde surgiu essa vontade de trabalhar com joalheria… Eu vejo a joia como uma miniarquitetura, já que tenho que pensar na construção da peça, suas articulações. E também tem o lado incrível, que é o que mais me encanta, do manuseio, do fazer cada peça, na descoberta que cada gesto meu interfere na placa de metal, por exemplo.” Foi manuseando diferentes materiais para criar brincos, aneis e afins que Kika foi criando pequenos objetos de arte a cada coleção. Na hora de trocar o universo da arquitetura pelo da joalheria, a designer revela que sentiu aquele frio na barriga, mas não pensou em desistir. “Eu tinha muita certeza de que era isso o que eu queria, mas nenhuma certeza de que isso iria dar certo…”, revela Kika.

Mas, é claro, graças ao talento da artista, tudo deu certo. Aliás, mais do que certo. Hoje Kika é presença garantida em diversas exposições ao redor do mundo e uma das profissionais de destaque no livro internacional Anuário de Joalheria Contemporânea 2013/2014, com o anel Desfrute, da coleção Enjoy It.