As delícias da culinária italiana em São Paulo

Um disco de farinha e água coberto pelos mais variados ingredientes, com destaque absoluto para o queijo, vai ao forno por alguns minutos. E sai de lá, geralmente, para ser comida em grupo, em fatias. Nenhum outro alimento é tão compartilhado quanto a pizza. E São Paulo é, sem dúvida, a capital mundial da pizza. Há um número no ar, que parece inacreditável, mas é comprovadamente verdadeiro: a cidade devora perto de 20 milhões de redondas por mês. Qual é a história por trás desse disco de massa com tanta paixão?

Por: Celso Arnaldo Araujo

A pátria-mãe da pizza, por óbvio, é a Itália. Mas seu DNA remonta a épocas quase primitivas. Consta que três séculos antes de Cristo, os fenícios costumavam acrescentar ao pão coberturas de carne e cebola, toucinho ou peixe frito. O pão fenício era parecido com o pão sírio, redondo e chato como um disco, uma mistura básica e farinha e água – o pão de Abrahão, citado na Bíblia. A dupla pão redondo-coberturas também foi adotada pelos turcos, que preferiam, no topo, carne de carneiro e iogurte fresco. No século 11, a Itália entrou nessa história: durante as Cruzadas, pão turco foi levado para o porto italiano de Nápoles. Os napolitanos tomaram gosto pela receita, de início limitada às camadas mais pobres da população – mas aos poucos aperfeiçoada com trigo de boa qualidade para a massa e coberturas mais nobres, especialmente queijo. Nascia, então, a pizza quase como a conhecemos hoje – com a cidade de Nápoles passando à história como seu berço. Faltava só o tomate, introduzido na Itália no século 16, vindo da América e incorporado como ingrediente tão básico quanto o queijo. Um detalhe: a mais antiga pizzaria que se conhece fica em Nápoles e foi fundada em 1830, a Port’Alba. O nome pizza? Esse antigo pão era também conhecido como ‘piscea’, termo que futuramente derivaria para pizza. No século 19, os napolitanos deram uma outra grande contribuição à história da pizza: graças à habilidade do primeiro pizzaiolo da história, dom Raffaele Espósito, um padeiro de Nápoles a serviço do rei Umberto I e da rainha Margherita, nasceu, em 1889, a pizza Margherita – com o tomate, o queijo e o manjericão compondo civicamente a aquarela da bandeira da Itália. A rainha apreciou tanto esse prato que dom Raffaele decidiu batizá-la de Margherita.

Saindo do forno no Brasil

A pizza chegou ao Brasil via São Paulo, evidentemente pelas mãos dos primeiros imigrantes italianos que, no final do século 19, desembarcaram no porto de Santos. Chegou e ficou: São Paulo tem hoje quase sete mil estabelecimentos que servem pizzas – entre pizzarias autênticas, lanchonetes e padarias. O bairro paulistano do Brás foi a sede das primeiras pizzarias do Brasil. Acredita-se que o primeiro pizzaiolo estabelecido na cidade de São Paulo tenha sido o napolitano Carmino Corvino, o Dom Carmenielo, na já extinta Cantina Santa Genoveva, na esquina da Avenida Rangel Pestana com a Rua Monsenhor Anacleto, inaugurada em 1910. No início eram apenas três sabores: mussarela, alicci e napolitana. E, nesse começo, não se viam clientes engravatados devorando uma pizza com garfo e faca. Em seus primórdios, a novidade napolitana não passava de um “salgadinho”. Assadas no forno em discos muito similares aos “brotinhos” de hoje, as minipizzas eram acomodadas num tambor portátil, com carvão em brasa para não esfriar – e vendidas nas ruas, para serem comidas com as mãos. Carmino vendeu muita pizza na rua, com seu tambor, antes de se assentar na Santa Genoveva.

Enfim, mestre Valentim

Mas parece não haver dúvida de que a história oficial da pizza em São Paulo passa por outra esquina do Brás – Avenida Celso Garcia com a Bresser. Ali funcionou por décadas uma superpadaria, a Santa Cruz, onde trabalhava o habilidoso confeiteiro espanhol Valentim Ruiz. Ali, no começo da década de 20, Valentim começou a preparar fumegantes pizzas – nos mesmos sabores clássicos – para serem servidas em fatias no balcão, e comidas com garfo e faca. Segundo os historiadores da pizza em São Paulo, foi Valentim quem deu à pizza a roupagem que tem hoje – trazida à mesa assim que sai do forno, com a mussarela derretida se esgarçando ao corte. E foi ele quem se preocupou também com toques gourmet, como azeite “do bom” e bordas mais altas, os chamados cornicciones. A influência de Valentim – morto nos anos 80, com mais de 90 anos – costumava ser destacada por todos os patriarcas das famílias de imigrantes italianos que começaram a abrir pizzarias na cidade – como Giovanni Tussato, o lendário Babbo Giovanni, que hoje dá nome a uma das grifes mais respeitadas da cidade. Ou os Siniscalchi, que fundaram a gloriosa Castelões – hoje a mais antiga pizzaria da cidade, em atividade desde 1924 na mesma rua Jairo Goes, no Brás. Todos se referiam ao mestre Valentim como o pai da verdadeira pizza brasileira.

Speranza: a pizza da rainha

Comandados pela matriarca Esperanza, a família Tarallo trouxe a São Paulo, em 1957, uma das maiores contribuições napolitanas ao cardápio paulistano: a pizza Margherita – aquela mesma, cria-da em homenagem à rainha italiana. Com ela, vieram também os célebres Tórtano (pão de linguiça), o antepasto de legumes marinados e a Pastiera di Grano, uma torta doce de ricota.

A nova era da pizza

Os princípios gastronômicos da pizza de 2017 continuam os mesmos. Mas é claro que, nesses mais de 90 anos, a pizza paulistana foi incorporando novidades de toda ordem – as mais diferentes e até exóticas coberturas (mais de cem, em determinadas casas), formato quadrado, bordas recheadas, espessura de uma hóstia, sistema rodízio, pizzas doces, etc. mais refinadas casas de pizza. Afinal, tudo acaba em pizza.

Cantinas: a comida da nonna e da mamma

Essa história começa com os primeiros fluxos da imigração italiana para o País – que teve como ápice o período entre 1880 e 1930. As primeiras levas de imigrantes vieram atraídas pelo fim da escravidão – e a consequente necessidade de mão de obra livre para trabalhar nas fazendas de café. Cerca de 70% dos imigrantes italianos acabaram se instalando no Estado mais cafeeiro do Brasil – São Paulo. Mas a crise de 1929 foi um baque para a cafeicultura. Ela obrigou os italianos a migrar para os centros urbanos. Com eles, a gastronomia típica. Em meados da década de 40, a cidade de São Paulo tinha por volta de 800 mil habitantes, sendo que 450 mil eram italianos ou seus descendentes. Para morar, a maioria se concentrou em bairros como a Mooca, Bixiga e o Brás – eles foram os pontos de partida para a instalação da gastronomia italiana em São Paulo, a partir de receitas e ingredientes trazidos pelas famílias de imigrantes. Era o almoço de domingo das ‘mamas’ de várias regiões da Itália transformado em menu dos primeiros restaurantes italianos da cidade.

O pioneiro

Considerada o mais antigo restaurante paulistano em atividade, a cantina Carlino foi fundada em 1881 pelo italiano Carlo Cecchini. Sempre funcionou no centro da cidade, primeiro no Largo do Paissandu e, posterior-mente, na Avenida Doutor Vieira de Carvalho, onde acabou fechando, em 2002. Após um intervalo de três anos, o atual proprietário, Antonio Carlos Marino, reabriu a casa, dessa vez ao lado do antigo Hotel Hilton, na Rua Epitácio Pessoa, aberta para almoços. O único pioneiro ainda em atividade no mesmo local da abertura é a Cantina Capuano, aberta em 1907 pelo calabrês Francisco Capuano. São 109 anos de bons serviços e a essência das mesas das “nonnas” – com as típicas toalhas quadriculadas onde é servido, por exemplo, um lendário fusilli ao sugo.

Os italianos dispensam o preparo sofisticado, valorizam o sabor e o perfume natural dos ingredientes de sua terra, temperados com muito azeite de oliva e generosas doses de ervas frescas, como alecrim, estragão, salsa, sálvia, tomilho, manjerona, orégano, manjericão, folhas de louro. Como complemento, pães típicos e excelentes vinhos. Outros alimentos que migraram para o Brasil com os italianos foram os embutidos, como a hoje cult mortadela – que surgiu na Itália há mais de dois mil anos, ainda durante o Império Romano – e o saboroso salame.

As cantinas italianas mais antigas da capital e a grande atração dos seus menus:
1881– Carlino: pappardelle ao molho de tomate com coelho e cogumelo
1907 – Capuano: fusilli ao sugo
1924 – Castelões: fusilli com calabresa
1942 – Roperto: perna de cabrito com batata e brócolis.
1945 – Cantina 1020: agnellotti de ricota, nozes, parmesão e presunto ao molho rosé.
1949 – Jardim de Napoli: polpettone.
1957 – Cantina e Pizzaria Speranza: pizza margherita


Um show de pizza – Graça di Napolli Pizzaria

Com toques de alta gastronomia, a premiada Graça di Napolli conquista a Zona Norte – e toda a cidade – oferecendo pizzas de massa caseira e ingredientes de preparo artesanal em um ambiente despojado e acolhedor.

Em junho de 2014, o bairro de Santana ganhou uma notável representante da tradicional gastronomia napolitana em São Paulo. A pizzaria Graça di Napolli, reconhecida para além dos limites da cidade, oferece uma deliciosa combinação entre o melhor do estilo gourmet e das receitas caseiras: o resultado são pizzas de apresentação, aroma e sabor impecáveis. Ganhadora dos prêmios de Melhor Pizzaria da Cidade, segundo o júri do especial Comer & Beber de 2014 da Veja São Paulo e melhor pizzaria do Brasil, pelo Prêmio Gula 2015. As massas preparadas artesanalmente com a técnica de fermentação natural longa são muito mais leves e digestivas e saem do forno de 5,5 metros de altura, fininhas, crocantes e com bordas aeradas, que desmancham na boca. Sobre a massa, sabores inusitados, como o da pizza Graça di Napolli – molho de tomates italianos, cream cheese, queijo gruyère, baby alcachofra, pasta de alcachofra, lascas de azeitona preta e tomate Sweet Grape gratinado com parmesão – fazem sucesso. Outras opções com ingredientes diferenciados são a Burrata Al Pesto (molho pomodoro italiano, queijo burrata e tomate Sweet Grape, gratinada com parmesão e finalizada com molho pesto) e a Prosciutto Tedesco, que combina presunto alemão e geleia de vinho Malbec.

São 50 sabores, divididos entre tradicionais, napolitanos, versões gourmet, pizzas doces e calzones. Para quem deseja uma refeição ainda mais leve e saudável, as massas feitas com farinha integral Caputo são uma deliciosa alternativa.

Para açucarar a visita, a dúvida é entre os brotinhos de Brigadeiro, Ovomaltine, Lindt Bianco (queijo brie, chocolate branco Lindt Swiss Classic e geleia de damasco), Doce de leite e Sensação e sobremesas tradicionais, como Pe˜ t gateau, Tiramisù e Torta holandesa.

A casa homenageia a matriarca da família dos sócios, a napolitana Dona Graça, e também a cidade litorânea do Sul da Itália, considerada berço mundial da pizza. Em seu interior, a Graça di Napolli apresenta um ambiente espaçoso, moderno e propositalmente rústico com tijolos aparentes e paredes em tons cobre. O preparo das redondas é um show à parte: das mãos de experientes pizzaiolos massas voam pelo ar, encantando os clientes.

GRAÇA DI NAPOLLI PIZZARIA GOURMET
Rua Dr. César, 704 – Santana  – Tel.: 11 3477 2030
Facebook: /gracadinapolli Instagram: @pizzariagracadinapolli Twitter: #gracadinapolli
www.gracadinapolli.com.br


Autora de delícias – Pasta D’Autori Cucina Originale

Com o compromisso de oferecer massas artesanais sempre frescas – seja nos pratos assinados pela chef Juliana Palhares ou nas porções semiprontas que o cliente pode finalizar em casa – o Pasta D’Autori traz a alma da cozinha italiana para o Itaim.

A restaurateur e chef de cozinha Juliana Palhares escolheu a dedo o local em que colocaria em prática suas habilidades culinárias. Experiente na área e pós-graduada na França, ela explica que todas as massas de seu restaurante Pasta D’Au-tori são produzidas no local. “Temos o maquinário e a expertise para fabricar nosso próprio produto. Por isso se chama Pasta D’Autori, ou seja, ‘massa de autor’”, explica Juliana, que se inspira na cozinha italiana para compor um cardápio diversificado, mas não perde de vista o sabor dos temperos brasileiros. Suas massas artesanais sempre fresquinhas protagonizam pratos como o Nhoque com ragu de rabada e o Trifolati (filé mignon com cogumelos porcini e tagliatelle na manteiga), mas também estão disponíveis em mais de 40 versões para retirada sob encomenda – o cliente pode finalizar como preferir, na cozinha de casa. “Cada pessoa pode dar um toque especial. Na Itália, todo mundo faz a massa em casa, só se come massa fresca. Em três minutinhos está pronta”, conclui a chef, que anuncia a chegada de suas massas a uma grande rede de varejo, em breve.

Sobre a chef

Jornalista de profissão, Juliana Palhares decidiu apostar em seu talento na cozinha e formou-se em Gastronomia pela faculdade Anhembi-Morumbi de São Paulo. Em 2014, fez pós-graduação na renomada escola Le Cordon Bleu de Paris, onde refinou várias técnicas culinárias. A experiência na elaboração e implementação de cardápios, aliada à paixão pela diversidade da comida brasileira, a fez idealizar uma harmonização da cozinha nativa com a internacional. Assim nasceu o restaurante de inspiração ítalo-brasileira Pasta D’Autori. Localizado em uma confortável casa no bairro do Itaim Bibi, o Pasta é um espaço gourmet singular. Os clientes podem saborear pratos preparados com massas frescas, produzidas na rotisserie do próprio estabelecimento, sempre com alguma novidade desenvolvida pela chef.

PASTA D’AUTORI CUCINA ORIGINALE
R. Professor Atílio Innocenti, 743 Vila Nova Conceição – Tel.: (11) 2338 5000
www.restaurantepastadautori.com.br


Sabores tradicionais – L’Osteria do Piero

Há 35 anos na Alameda Franca, o italiano L’Osteria do Piero não mede esforços para agradar a sua clientela e investe em ingredientes de alto padrão para oferecer refeições impecáveis.

Desde 1982, quando a casa foi aberta, as raízes italianas dominam o cardápio. No L’Osteria do Piero, a tradição está presente desde a música – que envolve os clientes em uma atmosfera nostálgica – ao preparo cuidadoso dos fartos pratos. O ambiente festivo e familiar convida o público a deliciosos momentos de descontração, muito bem harmonizados com massas artesanais, assados e frutos do mar. Entre os principais atrativos do vasto menu, estão a suculenta Perna de cabrito, servida com brócolis e batatas coradas, um verdadeiro clássico de encher os olhos. Pratos como o Filé a Paillard e o Espaguete à italiana (com pedacinhos de filé mignon e manjericão) são outros itens responsáveis pelas filas que se formam à entrada da casa, especialmente aos fins de semana, quando é prudente reservar uma mesa com antecedência.

Com sabores que atravessam gerações, o L’Osteria orgulha-se por conquistar clientes cativos, que já frequentavam a casa na década de 1980. Muitos avós, pais e filhos vão até lá para se deliciar com pratos como o Polpetone à parmegiana, que chega à mesa acompanhado de tagliarine ao molho branco e provoca suspiros. Para a sobremesa, a boa pedida é a vistosa musse de chocolate, de sabor marcante.

Do teto do salão pendem camisas de futebol e bandeiras de diversos países, tornando o espaço ainda mais descontraído e acolhedor. Referência quando o assunto é capricho – do tempero sempre impecável e ingredientes selecionados ao tamanho das porções – o restaurante oferece mais do que refeições: proporciona uma experiência gustativa completa, com charme e requinte. Tais características são reconhecidas pela fiel clientela, formada por artistas, empresários atletas e outras personalidades da cena paulistana.

L’Osteria do Piero
Al. Franca, 1509 – Tel.: (11) 3085 1082/3083 6017
www.losteriadopiero.com.br


Tradição a toda prova – Cantina C… Que Sabe!

Com status de ponto turístico-gastronômico da cidade, a Cantina C… Que Sabe! atravessa décadas vendo modismos culinários irem e virem. E permanece firme como uma verdadeira instituição que honra as raízes mais profundas da cozinha italiana.

Não são muitos os restaurantes que podem se gabar de se manterem relevantes após quase 90 anos de funcionamento – e no mesmo local. Comandado pela família italiana Stippe desde 1931, a Cantina C… Que Sabe! orgulha-se de ter enraizado a tradição da cozinha italiana no bairro do Bixiga. E segue despertando paixões gustativas e atraindo apreciadores de todas as partes da cidade.

Respeitável não apenas por sua longevidade, mas pela incontestável contribuição à gastronomia paulistana ao longo dos anos, esse patrimônio italiano no Brasil acompanha as tendências sem perder de vista a qualidade de pratos já consagrados. O chef Bruno Stippe, proprietário da casa, é o responsável por manter o cardápio sempre irresistível, com receitas que trazem a essência dos primeiros imigrantes italianos que viveram no Brasil no início dos anos 1900. Um exemplo desse cuidado é a Lasanha C… Que Sabe, com massa verde e molho rosado, criada por sua avó. Victor Stippe, irmão de Bruno, atua como chefe de sala e Michelle, seu filho, como assistente na cozinha.

Uma experiência completa: as porções muito bem servi-das e de sabor indiscutível combinam perfeitamente com o clima das autênticas cantinas do sul da Itália, onde o som da Tarantela alegra o ambiente e o caloroso atendimento convida a voltar outras vezes. O Talharim alla Baccalà, o  Ravioli de ricota ao molho de salmão fresco e o Fusilli com bracciola não decepcionam e o Filé a C… Que Sabe, servido com quatro queijos, aspargos e champignon, é sucesso absoluto. A famosa Perna de cabrito assada com batatas e brócolis também é uma pedida infalível.

Em tempos de modismos gastronômicos, a C… Que Sabe! é uma aposta certeira para quem não abre mão da tradição. Com qualidade provada e aprovada – inclusive por celebridades como Paolla Oliveira e Malvino Salvador, que frequentam o local –, a cantina resiste à passagem dos anos firme nos alicerces da autêntica cozinha italiana.

CANTINA C… QUE SABE!
Rua Rui Barbosa, 192 Tel.: (11) 3289-2574
www.cquesabe.com.br


Um clássico moderno – Babbili Pizzaria

Nascida há sete anos no bairro do Paraíso, a Babbili traz receitas únicas e ingredientes exclusivos para oferecer pizzas diferenciadas e cheias de personalidade.

Inaugurada em 2010, a Babbili já surgiu com o ambicioso objetivo de ser a melhor pizzaria de São Paulo. Para isso, investiu em ingredientes de alta qualidade e elaborou sabores exclusivos, preparados diariamente com primor pelas mãos de competentes pizzaiolos. Recentemente adquirida pelo campo-grandense Valmir Guarinão – sócio na premiada cantina Marina di Vietri, no Itaim –, que manteve o compromisso de colocar a casa no topo da lista de preferências dos paulistanos, a casa tem decoração inspirada nas cantinas tradicionais da Toscana. E, retomando a ideia inicial do antigo proprietário, em breve lançará um variado cardápio italiano para o horário do almoço, com alguns pratos já consagrados do Marina di Vietri.

Cheia de personalidade, a Babbili aposta em produtos que nenhuma outra pizzaria tem para oferecer em pizzas únicas, como a Florence, que leva presunto de Parma, mussarela, queijo brie, figos frescos assados, pignoles tostados e um toque de mel, mas também brinda seus clientes com sabores tradicionais, preparados com estilo próprio, marca registrada da casa. “Nós temos a Margherita, por exemplo, mas ela é feita à nossa maneira: em vez de usar as rodelas de tomate, colocamos molho fresco sobre a massa, em pequenos montinhos”, explica Valmir. Algumas das exclusividades da casa atraem o público que não resiste a uma novidade quentinha. É o caso das surpreendentes Bertolli (com ragu de calabresa preparado artesanalmente), que é finalizada com o perfume do tomilho e um toque de parmesão, e Babbili, que leva o queijo italiano Quartirolo Lombardo, além de linguiça toscana moída com especiarias (especialmente curada para a casa). “Só nós usamos o Quartirolo em pizza. E por ser um produto sazonal, quando não temos disponível, substituímos pelo brie, que também é muito saboroso”, conta o proprietário.

Outra opção do cardápio que ganhou o paladar do público vegetariano é a Funghi alla Grappa, elaborada com uma combinação de cogumelos shimeji e shitake, aromatizados e temperados com a autêntica grappa (bebida destilada de origem italiana) e um toque de mussarela. E entre as sobremesas, merece destaque a Banana caramelizada, servida com sorvete de creme e um merengue maçaricado numa charmosa taça.

Babbili
R. Abilio Soares, 912 Tel.: (11) 3051 5881
www.babbili.com.br


Pizza à portuguesa – Santa Marcelina

A pizzaria Santa Marcelina repete o sucesso da tradicional padaria de origem portuguesa no Alto da Boa Vista.

A primeira padaria Santa Marcelina foi aberta em 1978, no bairro das Perdizes, comandada pelo simpático seu Amaral, um batalhador imigrante português. O negócio prosperou e não demorou para a segunda unidade ser aberta na Rua Vereador José Diniz, região do Alto da Boa Vista, que rapidamente virou referência de doces, pães, roscas e salgados da região. O sucesso dessa segunda unidade certamente influenciou a abertura da pizzaria Santa Marcelina, em prédio anexo de dois andares, até com elevador panorâmico. Hoje, a Pizzaria Santa Marcelina mantém a tradição da padaria SM em oferecer produtos de alta qualidade e variedade. São mais de 30 tipos de pizzas de diversos sabores, desenvolvidos por Renato Brito, ˛ lho do fundador, servidas em salões para até 246 pessoas, em ambiente aconchegante para famílias ou amigos degustarem sua quentinha favorita, em réchauds que garantem que as pizzas não esfriem.

“Nossas massas são finas, feitas com ingredientes nobres porque nosso objetivo sempre foi proporcionar o máximo de qualidade em cada produto que fazemos”, garante Guilherme Brito, outro filho do fundador, à frente da pizzaria.

Entre as delícias, destaque para a de Filé mignon, Shitake e Shimeji, e especiais como a Bruxinha (carne de siri refogada em ervas, leite de coco e queijo gruyére). Outro sucesso da casa é a promoção “Você é o Pizzaiolo”, na qual um grupo de amigos reserva o forno do salão superior para que um escolhido prepare as pizzas para todos, com ingredientes fornecidos pela própria pizzaria. “Hoje, somos os portugueses que fazem pão e pizza”, brinca Guilherme.

Pizzaria Santa Marcelina
Av. Vereador José Diniz, 1125 – Alto da Boa Vista – Tel.: (11) 5548-3830
www.smpizzas.com.br


Sabor de tradição – Sacada Pizzaria

Presente na Mooca desde 1974, a Sacada foi a terceira pizzaria inaugurada no bairro e, desde então, cativa clientes com ingredientes selecionados, mantendo acesas as chamas de seus fornos e de sua tradição.

Há mais de 40 anos os moradores da Mooca ganharam uma vizinha que traria muito mais charme à região, com suas grandes janelas envidraçadas, além de oferecer mais de 50 sabores de pizzas, entre tradicionais – como a de calabresa, eleita em 2010 a melhor pizza de São Paulo em concurso promovido pelo Diário de São Paulo – e criações cheias de personalidade, como a Turim, que leva mussarela, alcaparras, tomate seco, orégano e azeitonas pretas. A preocupação com a qualidade dos produtos é constante: a casa prima por um alto padrão com ingredientes seletos, que fazem toda a diferença no sabor das pizzas. Um exemplo reconhecido pelos clientes é a de Camarão, que, além de generosas porções do crustáceo, ganha parmesão gratinado, azeitonas pretas e orégano.

O atendimento solícito e cuidadoso da casa reforça a missão de fazer com que seus clientes se sintam especiais – e eles retribuem voltando sempre. As famílias que frequentam a casa contam com a conveniência de um espaço divertido para as crianças brincarem enquanto os adultos degustam as deliciosas redondas. Além do amplo e confortável salão com capacidade para 200 pessoas, a casa oferece uma infraestrutura completa para realização de eventos, mediante reserva.

E para quem prefere degustar vários sabores a cada visita, todas as noites a Sacada serve mais de 30 pizzas doces e salgadas em sistema rodízio, das 18h às 23h45.

SACADA PIZZARIA
R. Cel. Joviniano Brandão, 59 Tel.: (11) 2639 6846/2028 0722/2028 0798 (11) 99624 9393
www.pizzariasacada.com.br


Uma fatia da Itália – Scalinata

Com ingredientes selecionados, massas leves e atendimento acolhedor, a Scalinata oferece uma variedade de pizzas de sabor e qualidade incomparáveis, próximo ao Estádio do Morumbi.

Inaugurada em março de 2014, com o objetivo de oferecer o melhor da cozinha italiana com elegância e sabor, a Scalinata se destaca pelo variado cardápio de pizzas, com massas leves – graças à técnica de fermentação longa – e sabores surpreendentes. Além das tradicionais Marguerita e Portuguesa, preparadas com arte, a casa cria receitas especiais que conquistam cada vez mais admiradores, como a Leggera, que é uma opção individual light com tomate cereja, mussarela de búfala e pesto de manjericão. A combinação levemente agridoce da Cebola caramelizada com chèvre. E a Parma e figo, que recebe fatias finas de presunto de Parma, figo fresco e um toque de redução de vinagre balsâmico ao sair do forno.

Entre as sobremesas, a Panaco˛ a de chocolate branco com calda de morango é sucesso absoluto. Inspirada na atmosfera alegre da famosa Piazza di Spagna de Roma, cuja escadaria estampa um enorme painel no salão principal, a Scalinata reproduz em seu ambiente o astral vibrante do local. “É uma homenagem às pessoas que fazem diariamente da vida ‘algo a mais’”, explica Giovanni De Luca, sócio-proprietário da casa. Incansável na arte de surpreender seus clientes, a Scalinata promete deliciosas novidades para incrementar o cardápio no segundo semestre. Giovanni e sua equipe estão trabalhando na criação de novos sabores de pizzas e massas para arrebatar olhos e paladares.

Scalinata
R. Amélia Corrêa Fontes Guimarães, 590 Tel.: (11) 3771 3377/3771 4027
www.scalinata.com.br


Delícias clássicas – Restaurante e Pizzaria Lenharetto

A Lenharetto optou por se dedicar aos sabores tradicionais e, em 26 anos de atividade, conquistou o bairro de Higienópolis e região com deliciosas pizzas servidas em ambiente familiar e aconchegante.

Em 1991, o forno da Lenharetto f oi aceso pela primeira vez com o objetivo de levar pizzas de padrão diferenciado às casas dos moradores de Higienópolis e região. Experiente empreendedor do setor gastronômico, o proprietário Gilberto Castilho observou a boa aceitação das pizzas como um incentivo para abrir as portas aos clientes, que passaram a visitar o local, também em busca das carnes nobres, servidas no almoço e no jantar. Hoje, após adaptações na estrutura para ampliar e modernizar a casa, a Lenharetto oferece mais de 50 sabores de pizzas preparadas com massa fina balanceada, além de uma variedade de pratos com carnes, peixes, frango e saladas. O bife ancho, o chorizo e a picanha são as estrelas do cardápio, servidas em porção individual ou para compartilhar. À parte, os clientes podem pedir acompanhamentos como arroz, batatas cozidas no vapor, brócolis, creme de milho, fritas, legumes, mandioca frita e purê. Todas as receitas têm a supervisão de nutricionistas e engenheiros de alimentos, para garantir que, além do sabor impecável, as refeições estejam sempre frescas e seguras para o consumo.

Sem ceder a modismos, a Lenharetto mantém-se firme na tradição e atrai clientes de todas as regiões da cidade, com pizzas clássicas, como a Marguerita (molho de tomate, mussarela, parmesão, manjericão e azeitonas) e a Baiana (mussarela, calabresa moída com pimenta, rodelas de toma-te, salsinha, cebola e azeitonas). Seja no simpático salão ou com a comodidade do eficiente serviço de delivery, elas chegam sempre quentinhas e saborosíssimas. Entre as sobremesas,  Chococreme (sorvete de creme com calda quente de choconup) é a pedida infalível na mesa da casa e o Creme de papaia é campeão dos pedidos para viagem.

Lenharetto
Al. Barros, 755 – Tel.: 0800 171727/3666 9000 WhatsApp 94394 4811/94149 1346
www.lenharetto.com.br


Especialista em qualidade – Casa da Pizza

Com sete unidades em Alphaville e São Paulo, a Casa da Pizza vem conquistando cada vez mais clientes por oferecer sabores tradicionais elaborados com produtos de qualidade.

A primeira unidade da Casa da Pizza foi inaugurada em outubro de 2000 no centro comercial de Alphaville. Com a missão de oferecer a melhor pizza delivery da região, seus idealizadores empreenderam uma jornada de trabalho de intensa dedicação, que resultaria em sabores tão primorosos que não demoraram a conquistar uma notável clientela. Assim, logo seria necessário abrir uma nova casa no mesmo bairro. Hoje a rede conta com sete unidades, cinco espalhadas por São Paulo (Morumbi, Perdizes, Tatuapé, Alto da Lapa e Moema), levando o sabor diferencia-do de pizzas artesanais, preparadas com um rigoroso padrão de qualidade, dos ingredientes selecionados ao cuidado no momento da entrega em casa, para garantir a satisfação dos clientes. “Temos uma cozinha central onde todos os ingredientes são preparados, cortados, processados, porcionados, embalados a vácuo e enviados a cada unidade quase que diariamente”, explica Estefano Carrieri, proprietário da casa.

No cardápio, destacam-se os sabores tradicionais, como a Castelões Especial, que leva molho de tomates frescos, mussarela e uma deliciosa calabresa artesanal levemente condimentada. Qualquer pizza dá direito a um brinde: um dos irresistiveis pães da Casa (Mozzarella, Mozzarella com catupiry ou Calabresa) ou a tortinha de banana com crosta de açúcar e canela, que é de dar água na boca.

A preocupação em agradar a todos os públicos é o melhor tempero: a Casa acaba de lançar as massas integrais, feitas com farinha italiana, que podem ser bases de qualquer sabor. A caprichada Margherita é uma das campeãs de pedidos.

Pizzaiolo em casa

E, além de oferecer a conveniência de um eficiente serviço de delivery, a Casa da Pizza também dedica especial atenção a eventos residenciais e corporativos, com uma estrutura completa, que inclui forno a gás – com pedra refratária, que assa as pizzas no mesmo padrão de forno a lenha. O serviço inclui ainda pratos, copos e talheres, equipe de pizzaiolo, garçons e copeiras, além de bebidas não alcoólicas e pizzas doces servidas com sorvete de creme como sobremesa.

A Casa da Pizza
www.casadapizza.net


Receita de família – Nello’s

Verdadeiro ponto turístico da cidade, o Nello’s é famoso pelas deliciosas pizzas e massas artesanais, servidas em um ambiente gracioso que combina relíquias do cinema italiano e um atendimento caloroso há mais de 40 anos.

As receitas que já renderam diversos prêmios ao Nello’s são de Dona Rina, esposa de Nello De Rossi (falecido em 2013), fundador da casa em 1974, no bairro de Pinheiros. Hoje, ao seu lado, atua também o afilhado Tony de Sousa. Desde a inauguração, as massas, tortas e sorvetes feitos artesanalmente conquistaram tantos paladares que foi necessário inaugurar uma segunda casa, na Vila Leopoldina. Hoje, aos 83 anos, Dona Rina conta com a ajuda dos filhos Massimo, Patricia e Daniela e dos Augustos, o neto e genro, para comandar as duas unidades, mantendo acesas as chamas da tradição italiana.

Além de pizzas clássicas, com coberturas caprichadas, preparadas com excelência, o Nello’s oferece um vasto cardápio de massas frescas que provocam suspiros e enchem os olhos de novos e antigos clientes. Criações como o Fettuccine Frascatana (que leva molho e pedaços de tomate e mussarela de búfala) e o Gnocchi Rina (feito com ricota e espinafre gratinado com uma espiral de molho sugo) são marcas registradas da casa. O premiado Scalloppine Limone (escalopes de filé mignon ao molho de limão) é uma verdadeira viagem ao sabor, que re-mete ao bairro Trastevere, em Roma.

Ponto de encontro de intelectuais e artistas, o restaurante exibe relíquias da fase neorrealista do cinema italiano, além de lembranças das produções de Nello, que foi ator, diretor e produtor de cinema no Brasil e na Itália. Dona Rina, cozinheira exímia, foi agraciada em 2014 com a Cruz do Mérito Gastronômico pela Academia Brasileira de Honrarias ao Mérito.Sempre pensando no conforto e na satisfação de seus clientes, o Nello’s promete para o Nello’s promete para o mês de agosto a ampliação da unidade matriz, em Pinheiros, com a abertura de uma espaçosa varanda. A expansão da atmosfera familiar deverá receber pais e filhos com ainda mais elegância no Dia dos Pais.

Nello’s
R. Antonio Bicudo, 97 – Pinheiros Tel.: (11) 3082 4365
R. Guaipá, 880 – Vila Leopoldina Tel.: (11) 4304 2666
@nelloscantina
www.nellos.com.br


Temporada de inverno à italiana – La Forchetta

Menu com entrada, prato principal e sobremesa, a R$ 69,90, promete aquecer os dias frios nos restaurantes do chef Aldo Teixeira.

Com a chegada do inverno, os restaurantes do chef Aldo Teixeira (foto) e do empresário Faustino da Silva, La Forchetta, Il Papavero, La Terrina e Fior D`Itália, apresentam um cardápio especialmente criado para a estação, com entrada, prato principal e sobremesa, a preço único de R$ 69,90 por pessoa. “Além desse preço convidativo, é um menu com muitas opções, eclético, saboroso, que não pesa e esquenta bastante. E a pessoa pode escolher um dos restaurantes, nos quatro cantos da cidade, e, por que não, ir experimentando variações em cada um”, sugere o chef.

As opções de entrada variam da “Insalata Di Sepia”, salada morna com lulas grelhadas, salteadas no acento balsâmico e folhas verdes, ao Crostini Alla Romana, fa˜ a de pão com mussarela e pasta de aliche.

Entre as opções de sopas, o Caldo Verde in Pagnotta, caldo de couve refogada e fatias de linguiça calabresa; Creme di Asparagi in Pagnotta, creme de aspargos com creme de leite, gema de ovo e parmesão. Ambos servidos dentro do pão italiano.

Para os fãs da carne, uma boa escolha é o Filetto Alla Fiori D`Itália, filet mignon à milanesa recheado com presunto, catupiry e funghi com arroz de açafrão. Outras opções que harmonizam com dias frios são a Polente di Cucchiaio con Ragu di Salsiccia, polenta mole com ragu de linguiça e a Quaglia Ripieno di due Funghi con Risotto di Aspargi verde, codorna recheada de cogumelos com risoto de aspargos verdes. “A codorna é um dos grandes atrativos do menu de inverno porque é totalmente desossada, deliciosa e dificil de se encontrar em restaurantes”, garante o chef Aldo. Já o Pesce Alla Lago Di Garda, filé de peixe grelhado, coberto com fumet de peixe e alcaparras, com arroz no próprio molho, é a opção de peixe. A Trilogia Mousse, mousse de cho-colate, limão e maracujá, e o Ravioli di Ciocolato con Gelatto di Fragola, raviólis doces recheados de choco-late com sorvete de morango, são as sobremesas do cardápio.

LA FORCHETTA
R. Santa Justina, 210 Vila Olímpia – Tel.: (11) 3237 0717

LA TERRINA
R. Capote Valente, 500 – Pinheiros – Tel.: (11) 3064 1155

IL PAPAVERO
Al. Campinas, 540 Jardins – Tel.: (11) 3142 9963

FIOR D’ITÁLIA
Av. Luis Dumont Villares, 400 – Santana – Tel.: (11) 2950 4323


Do fundo do mar para a mesa – Bar do Peixe

Pratos preparados com frutos marinhos fresquinhos, ambiente aconchegante, atendimento diferenciado. São esses os fatores que fazem a diferença no Bar do Peixe.

Nada de peixe congelado. Aliás, essa palavra é praticamente proibida quando o assunto são os ingredientes usados na co-zinha do Bar do Peixe, no bairro do Campo Belo. Sob a direção de Seu Antônio Vieira, mais conhecido como Toninho, e do fi lho Gustavo, o restaurante se destaca por receber seus clientes como se estivessem em casa – ou seja, sempre de forma descontraída e muito atenciosa, desde 2002, oferecendo o melhor quando o assunto são frutos do mar. Logo na entrada já é possível sentir o clima praiano em todos os detalhes. Paredes de tijolinho, mesas na varanda e toalhas quadriculadas fazem os clientes, por um instante, até esquecerem o estresse da cidade grande. Outro ponto que chama a atenção é a variedade de frutas fresquinhas sobre o balcão, usadas para sucos, caipirinhas e sobremesas. E assim como as frutas, todos os peixes, camarões, polvo, lula, mariscos e lagostas são selecionados com muito cuidado pela equipe da casa.

Da cozinha do Bar do Peixe saem inúmeras delícias com origem em mar e rios brasileiros. “Além da Moqueca de Camarão com Abadejo e dos pratos preparados com pescada, pirarucu e pintado, todos acompanhados de pirão e arroz a grega, nós também oferecemos o bacalhau especial, em várias versões”, diz seu Toninho.

Os queridinhos da casa

Considerado o carro-chefe da casa, é impossível resistir à Caldeirada – com polvo espanhol, lula, mariscos e mais seis tipos de peixe. “Nosso conselho é que o cliente venha acompanhado e com bom apetite, pois as porções são muito bem servidas”, aconselha seu Toninho. Outro prato que faz muito sucesso é a lagosta de 3 quilos, trazida de Fortaleza, servida com arroz e salada completa, sob encomenda. Para petiscar enquanto se toma uma das caipirinhas da casa, o espaço oferece um extenso cardápio com porções de lulas, camarões e peixes.

Para harmonizar os frutos do mar com um bom vinho, o Bar do Peixe tem rótulos nacionais e importados. “Escolhemos com muito cuidado os vinhos, principalmente portugueses, para deixar as refeições ainda mais saborosas”, finaliza o proprietário.

BAR DO PEIXE
R. Sônia Ribeiro, 43 – Campo Belo Tel.: (11) 5041 0845
Av. do Cursino, 111 – Alto do Ipiranga Tel.: (11) 2776 2037