Presente dos deuses: o luxo em forma de chocolate

O que faz de um chocolate um bom chocolate? Valorizando o produto nacional e acompanhando a tendência mundial da origem controlada, a Chocolat Du Jour trabalha com cacau fino brasileiro em sua linha Pratigi. Como os vinhos, os chocolates apresentam características diferentes dependendo da região em que o cacau foi plantado, da espécie, do modo como foram colhidos e dos cuidados ao longo do processo de elaboração do produto final. Um processo que inclui a colheita (manual), a fermentação, a secagem e a seleção das melhores sementes do cacau. No caso da matéria-prima da Chocolat, o cultivo é feito por famílias de maneira sustentável, agregando valor social ao negócio e recebe o certificado da Rainforest Alliance, instituição com reconhecimento internacional pela preservação da biodiversidade. O aroma frutado dessa linha de chocolates se desprende lentamente na boca e pode ser encontrado nas versões ao leite, meioamargo ou amargo (70% de cacau).
Há 22 anos no mercado, a Chocolat Du Jour teve início numa paixão: a empresária paulista Claudia Landmann, que sempre foi chocólatra, fazia de suas viagens com o marido à Europa um verdadeiro roteiro de caça ao tesouro, na busca por sabores especiais. Decidiu abrir no Brasil, em 1987, uma marca que pudesse oferecer aos consumidores daqui a mesma qualidade e a sofisticação que encontrara na Europa. Hoje com quatro lojas em pontos nobres da capital paulista, ela e a filha, Patrícia, recebem insistentes convites para filiais no interior, em outras capitais e até mesmo no exterior, mas preferem por enquanto manter a dedicação direcionada ao que já existe.
Dentre as delícias da marca, o cliente encontra iten curiosos como Choco Chaud (pó para chocolate quente) que acompanha uma delicada colher semicoberta com chocolate. Ou o Theobroma, que é uma barra redonda de chocolate fixada em uma base de madeira acoplada a uma faca giratória que produz lascas finíssimas que derretem na boca. Ou ainda uma galinha dos ovos de ouro (recheada de ovinhos). As embalagens caprichadíssimas parecem portajoias e as latas douradas se tornaram ícone da marca.

Galinha dos ovos de ouro
“Degustar um chocolate é um momento de prazer que você pode se proporcionar no cotidiano, dar uma pausa no seu dia e se deliciar com um momento gostoso, por isso gostamos de oferecer não só o melhor chocolate, mas uma embalagem encantadora, lojas aconchegantes, para estimular mesmo os cinco sentidos”, resume Patrícia Landmann.
No entanto, a verdadeira “galinha dos ovos de ouro” da empresa são as Truffes Du Jour. Feitas e embaladas individualmente, a fabricação em pequenas quantidades garante que estejam sempre fresquinhas e conquistem clientes muito especiais, que apreciam um sabor exclusivo.
Além da tradicional, de chocolate meio-amargo, envolta em pó de cacau, a marca oferece a de chocolate ao leite; a com champagne, que é envolta em açúcar de confeiteiro; a crocante, a de chocolate branco, a de chocolate meio amargo com cognac, de maracujá, que contrasta bem sua acidez com o chocolate branco, a capuccino, que combina com bastante suavidade o sabor da canela, café e chocolate, e a trufa de mel com chocolate ao leite.
Claudia Landmann define o sucesso com simplicidade: “O segredo é o produto estar sempre fresco, por isso fabricamos nossos chocolates conforme a demanda, em pequenos lotes que chegam diariamente às lojas”. Esse é o luxo.
Quem provar vai entender a diferença de ser um “chocolate do dia”, ou, em francês, Chocolat du Jour.