Para sua viagem ser um luxo

Que ela é chique todo mundo sabe. Que é uma exímia conhecedora de etiqueta e moda também não resta a menor dúvida. Agora, ao lançar um livro para todos os tipos de viajantes – dos mais experientes aos amadores -– a jornalista e consultora de moda Gloria Kalil revela uma nova faceta: seu conhecimento sobre roteiros de viagens, seja qual for o destino

Por Lilian Anazetti

U ma das mulheres mais requisitadas do Brasil quando o assunto é etiqueta, elegância e moda, Glória Kalil certa vez definiu o que é ser chique para ela. Em poucas palavras, fez a definição perfeita. “(…) para ser chique é preciso muito mais que um guarda-roupa ou closet recheado de grifes famosas e importadas. Muito mais que um belo carro italiano. O que faz uma pessoa chique não é o que essa pessoa tem, mas a forma como ela se comporta perante a vida”. Para esta mulher, que tem o chic praticamente como sobrenome – seu site é chic, seus livros também (Chic: Um Guia de Moda e Estilo para o Século XXI, Viajante Chic, Alô, chics, entre outros), o que é luxo na cidade? “Morar numa cidade grande como São Paulo já um luxo para mim. Mais do que isso, em cidades assim você tem uma independência de vida absoluta, só encontra com as pessoas se quiser. Essa possibilidade de anonimato, no sentido de ninguém se meter na sua vida, é um luxo para mim”.

Um livro para viajantes

A jornalista vai além no quesito “luxo relativo”. “Um dos maiores luxos que se pode ter na vida é a coragem de sair da sua zona de conforto e ir para um lugar no mundo totalmente diferente do que você conhece, com uma cultura totalmente diferente: África, Ásia, China, por exemplo. O impacto e o novo conhecimento que se adquire voltam como repertório de por que não dizer, luxuoso”. Recentemente, Glória lançou o livro Viajante chic – Editora Agir, com todo tipo de informação para o antes, o durante e o depois de uma viagem. O livro serve ainda como um guia de etiqueta que orienta os passageiros quanto ao melhor modo de se portar em aviões, cruzeiros, ônibus e trens por meio de relatos pessoais e casos enviados por leitores do site, o Chic. São narrativas de situações engraçadas e, muitas vezes, divertidamente constrangedoras, mas que podem vir a ser muito úteis para aqueles que estão prestes a embarcar. “A ideia de escrever o livro surgiu, primeiro, porque eu já viajei e viajo muito. Tenho listas plastificadas nas gavetas do meu banheiro com tudo o que deve ir na nécessaire. Cada vez que eu comentava isso com alguém, a pessoa pedia uma cópia. A segunda coisa é que percebi, pelos e-mails do site, que tinham muitas perguntas sobre viagens, tipo: o que eu levo para um cruzeiro? Meu filho vai passar seis meses fora, o que ele leva na mala? Enfim, de uns anos pra cá tem gente de todo tipo de classe social viajando e todo mundo tem problemas com viagem. Por que então não lançar um guia prático e esclarecedor para evitar problemas?”.

Por fim, Glória apresenta um passo a passo de como preparar a bagagem para todas as ocasiões de maneira inteligente e hábil, selecionando roupas adequadas, na quantidade ideal, para cada tipo de clima e local.

Já que o assunto é viagem

E a conversa é com a uma das maiores especialistas em moda do País, a pergunta que não calar: qual o look ideal para viajar confortavelmente, mas sem perder o charme e a elegância? “Tem que ser confortável, mas isso não é sinônimo de vestir um pijaminha. Não dá para esquecer que você está num lugar público e que não está sozinho, que você vai se sentar ao lado de uma pessoa desconhecida e, dependendo do destino, e das horas de voo, vai dormir ao lado dessa pessoa. Assim, existem coisas que são inadmissíveis. Por exemplo: um homem viajar de regata ou short. Minissaia para as mulheres também não é legal, nem salto muito alto, porqueo pé pode inchar. O ideal é usar roupas que tenham um fio strech que estica de acordo com os movimentos, ou uma malha, que também é confortável. Uma outra dica é sempre levar na mão um cardigan, porque mesmo estando calor no destino final, dentro do avião é sempre gelado. O segredo é saber mesclar coisas cômodas e que tenham decoro em lugar público”.

Passo a passo

Para arrumar a mala

1 Coloque em cima da cama as roupas que você escolheu conforme o clima do lugar de destino e a duração da viagem;

2 Reserve o fundo da mala para: sacola de nylon bem leve para voltar com as compras, roupas usadas, folhetos de passeios e lembrancinhas, e meia-dúzia daqueles cabides levinhos de lavanderia, que podem ser pendurados no banheiro do hotel. Ao voltar, deixe-os por lá.

3 Primeiro andar da mala: coloque calças, saias, vestidos, jaquetas, camisas e paletós. Estenda as calças na mala, deixando parte das pernas de fora. Depois, vá estendendo por cima as peças que couberem abertas;

4 No segundo andar da mala, coloque malhas, camisetas, shorts, minivestidos e túnicas dobrados em formato de rolinhos: assim dá para encaixar inteligentemente. Se for o caso de levar peças de inverno, como xales, lenços e

cachecóis, use o mesmo processo de enrolar ou dobrar bem;

5 Reserve o terceiro andar da mala para as roupas íntimas;

6 Por último, sapatos, bolsas, cintos, artigos de higiene e bijuterias. Enfie cada pé de sapato em saquinhos de pano e vá colocando nas laterais da mala de um jeito que amassem menos. Aproveite para guardar as meias dentro dos sapatos. Os cintos ficam mais bem colocados quando esticados, acompanhando a borda da mala. Botas devem ser protegidas por sacos apenas na região dos pés. Coloque as bolsas e use os espaços restantes das laterais para itens como: shampoo (bem fechados dentro de plásticos), cremes, óculos, etc. Se levar pijama, deixe-o por último. Evite ter que desfazer a mala em escalas curtas.

Leia essa e outras matérias na Go’Where n° 96