As principais tendências do São Paulo Fashion Week

O verão 2018 está chegando e será repleto de peças fluidas e muito babado. Para você saber o que realmente vale a pena incorporar ao seu guarda-roupa, confira as tendências mais bacanas apresentadas durante os desfiles da última edição da São Paulo Fashion Week.

Por: Mariana Gallo

Lenny Niemeyer

Aplausos em pé da plateia. Essa foi a consagração da estilista carioca, que, pela terceira temporada, aparece como destaque entre os melhores desfiles da semana de moda. Inspirada pelas artistas Hilma AF Klint e Emma Kunz, pioneiras no abstracionismo geométrico, na época de 1800, a estilista criou peças gráficas que pareciam pêndulos de Kunus. Maiôs e biquínis ombro a ombro, em peças de tons fortes e bem estruturadas, marcaram a coleção. Nos vestidos sobram peças fluidas e bem soltas, com mangas bufantes e gola alta.

Gloria Coelho

O casting, bem democrático, trouxe personalidades de diferentes áreas, como a blogueira Camila Coelho, a cantora Marina Lima e a apresentadora Isabela Fioretino. Contemplando essa diversidade e sob o tema The Crown, a estilista brincou com a monarquia inglesa e com a cultura do Reino Unido, levando para a passarela peças mais estruturadas, casacos com capuz, saias com shape quadrado. Mas peças mais fluidas, como um delicioso pijama oversized, vestidos  curtos e leves em tons de rosa psicodélico e amarelo limão, assim como uma moda-festa bem descolada, também  ganharam espaço na coleção de Gloria Coelho.

VIX

Em sua segunda participação na SPFW, a estilista Paula Hermanny brincou com o tema Trópicos para a temporada de verão 2018. A coleção confortável e despretensiosa apresentou uma variedade de calças amplas, com cós alto, amarrações e torções, em tons como lilás e rosa ballet. Na composição dos biquínis e maiôs, tecidos como chamoix
e linho deixaram as peças perfeitas para serem usadas em climas mais urbanos. Fecham o styling do desfile as sandálias com tornozeleira de pedras douradas.

PatBO

A coleção criada pela estilista Patricia Bonaldi brinca com as décadas dos anos 20 e 90. Tem linho com jacquard, palha com canutilho, estampas de cogumelos bordados à mão (com traço infantil), listras com transparências em saias balonê, rasteiras em palha. É uma coleção lúdica com um pouco de tudo, como a estilista Patricia Bonaldi gosta: mix de materiais naturais, com tecidos mais pesados, que se casam perfeitamente, criando, assim, peças únicas e especiais. Para os fãs da marca, fica difícil escolher um modelo só, difícil.

Coven

Looks possíveis e peças mais frescas – esse foi o ponto de partida da coleção da Coven para o Verão 2018. Inspirada pelo tema África, a marca levou para a passarela listras e xadrez, criando estampas bem gráficas para suas peças. A fluidez do linho ganha um caimento suave com franjas de ráfia sintética e superfícies de pedras naturais, tingidas de vermelho, verde e  branco, tudo bem leve. Conhecida pelo seu linho, a marca abriu-se para materiais como o algodão, mostrando que nem tudo precisa ser 100%.

Giuliana Romanno

Pela primeira vez, Giuliana não usou preto em sua coleção e decidiu trocar a alfaiataria pesada por peças leves e soltas em tons suaves – lilás com metal em contraste com os tons naturais. Surgem aí uma linha de peças esvoaçantes de padronagem floral, em lamê e com fendas perfeitas para o verão.

Osklen

A Osklen buscou em Tarsila do Amaral inspiração para o Verão. Na passarela, vestidos brancos aparecem como tela branca e, aos poucos, vão surgindo peças com estampas em rabiscos, como se fossem os primeiros esboços da artista, até chegar em looks coloridos com estampas de quadros famosos, como o Abaporu.

Paula Raia

Esse foi um dos desfiles mais comentados da temporada. Inspirado pela artista Agnes Martin, com sua pintura abstrata e universo místico, Paula apresentou uma coleção super-romântica, apostando na tonalidade rosa millennial. Nas apresentação, vestidos, transparências, bordados e babados foram os destaques das peças, o foco fica para as rendas delicadas.

Iódice

São 30 anos de Iódice, idade muito comemorada por Valdemar Iódice e sua equipe. O hotel Palácio Tangará foi escolhido para sediar o desfile comemorativo da marca, e na passarela, nada menos que muito luxo e brilho nos looks que contam a história da marca. Chamada de Tropical Art, a coleção traz peças orgânicas e gráficas que são aplicadas nos vestidos e jaquetas com shape mais próximos ao corpo. As misturas são o foco da coleção: seda, estampas florais, poás, formas gráficas, listras, franjas e zíper se harmonizam perfeitamente, criando uma coleção rica e bem luxuosa.

Lilly Sarti

Peças modulares, que vão do domingo aos compromissos mais importantes da semana, reinaram no desfile da marca. Sem deixar de dar espaço para a criatividade, surgem peças como saias, tops, macacões em tecidos nobres como couro de cabra, jacquard, crepe e seda. A cartela de cores é excelente: crus, vermelhos e mostarda!