Refúgio com Estilo

 

A empresária carioca Claudia Jatahy, dona da Animale, recebe Go Where Rio em sua casa e fala do seu dia a dia e dos projetos de expansão do grupo

Por Fátima Telles Fotos Pedro Scliar

Ela é diretora de estilo de uma das grandes marcas cariocas, a Animale, que, com 23 anos de atividade, conquistou uma clientela sofisticada e fiel em todo o país. São 70 lojas próprias e 400 pontos de revenda através de multimarcas, cerca de três mil peças vendidas por dia. No momento, ela e seus irmãos-sócios investem no crescimento de duas novas marcas, A Brand e a FYI. Com um dia a dia que começa às 7h da manhã e termina 12 horas depois, Claudia ainda encontra tempo para se dedicar à família. Casada há 15 anos com o empresário italiano Fabrizzio Giuliadore, dono do restaurante Alessandro & Frederico, mãe de dois adolescentes, um de 14 e outro de 11, e de uma menina de dois, ela procura sempre estar presente na rotina dos filhos. “Geralmente chego em casa muito cansada, mas busco uma energia, não sei de onde, para ficar com meus filhos e saber como foi o dia deles”.

A casa é seu grande refúgio. Um cantinho especial foi construído em seu amplo apartamento na Lagoa, com arquitetura de Ricardo Campos e decoração de Carlos Arruda. É onde relaxa, lê seus livros e tem os melhores insights. Em fins de semana alternados, procura recarregar as energias em sua recém-comprada casa de veraneio em Araras. “Nesse espaço me permito colocar os pés na grama e tomar minha caipirinha. É meu momento total em família.”

Como surgiu a Animale?

Fiz Direito, mas desde a faculdade eu já me ligava em moda. Fui trabalhar como vendedora de uma pronta entrega e depois passei a gerente. Descobri que era o ramo de que eu gostava e resolvi criar minha própria pronta entrega, em Ipanema. Depois abri minha primeira loja em Itaipava, onde tínhamos casa de veraneio. Logo em seguida, meus irmãos entraram na sociedade, ampliamos o negócio e a variedade de artigos. Inauguramos então nossa primeira espaço no Rio, no Leblon. Hoje é uma das minhas lojas off e temos um carinho especial por ela. Meu irmão assumiu a parte financeira, eu fiquei com o estilo, minha irmã com a parte comercial. Atualmente, temos uma fábrica grande para produzir os produtos mais elaborados e trabalhamos com outros parceiros que desenvolvem peças criadas por nós.

As 70 lojas da marca são próprias?

Sim. Não trabalhamos com franquia. Temos ainda mais uma marca do grupo, A Brand, com três anos. É uma marca premium, mais exclusiva, com poucas lojas, peças com grade reduzida e matérias primas tops. Há cerca de três anos também temos uma participação na Farm e na linha infantil dela, a Fábula. Abrimos a FYI (For Your Information), há cinco meses, com lojas em Fortaleza e Rio, voltada para uma jovem universitária mais descolada. Estamos abrindo cinco lojas dela e cinco da A Brand.

Desde 2008 a Animale parou de desfilar no Fashion Rio e foi para o SPFW. Por quê?

O Fashion Rio foi muito importante para a consolidação da marca, mas em dado momento era preciso nacionalizar e internacionalizar a Animale. O SPFW é um evento de visibilidade internacional. Está no calendário oficial de moda e levou a marca a outro patamar.

Há a possibilidade de voltar ao Fashion Rio?

Como estou com duas marcas novas, não descarto a possibilidade de uma delas vir a participar do evento do Rio, um lançador de moda muito importante. Eu diria que o SPFW faz parte de outro estágio de marca.

 

Mas neste SPFW a Animale não desfila. Por quê?

De repente nos vimos na situação de termos que organizar três desfiles no mesmo ano. Isso exige um trabalho abissal, em termos de conceitos, pesquisas, organização de passarela, convites etc. Para que entrássemos nesse calendário da forma mais adequada, optamos nessa edição do SPFW por fazermos apenas um desfile virtual, montado, fotografado e distribuído para a mídia especializada. Mas vamos participar do próximo.

Quais os seus cantos preferidos da casa?

Nós estamos num deles. É meu refúgio mesmo, um cantinho sossegado onde me dedico aos livros, minhas pesquisas e ouço música. É o lugar onde tenho as melhores ideias e estratégias para a marca. Escolhi este apartamento porque tinha cara de casa, com essa área meio jardim. Criei esta ampla sala nos fundos e, ao lado, fiz uma brinquedoteca para a minha filha. Meu marido vem pra cá ver futebol na TV, bebemos um vinho e ele prepara uma comidinha. No fim de semana minha casa é meu santuário.

Fale de seu marido

É Fabrizzio Giuliadore, dono do Alessandro & Frederico. Estamos casados há 15 anos. Ele é italiano e já morava no Brasil quando o conheci. Nosso encontro, acredito, foi destino. Temos muito em comum, principalmente na questão da estética. Ele acompanha meu trabalho, dá palpite e vibra quando as coisas dão certo. Combinamos muito.

Como é sua rotina?

Mais nova, eu malhava muito todos os dias. Com o trabalho e os filhos precisei abrir mão disso. Hoje faço academia com personal, mas no máximo três vezes por semana. Faço a aula, volto pra casa e acompanho minha filha à escola. Troco de roupa e sigo para o escritório, no Rio Comprido, chegando lá às 9h30. Procuro jantar sempre com meus filhos para saber como foi o dia deles.

O que você gosta de fazer em seus dias livres?

Por muitos anos fiz hipismo na Hípica. Tenho paixão por cavalos, mas, por causa de um problema na coluna, não posso mais me dedicar ao hipismo. Mas preciso de contato com o verde. A casa que acabei de comprar em Araras, perto de Itaipava, tem 13 mil metros de jardins – é onde ponho o pé na grama e converso com as árvores. É impressionante como isso me recarrega para a semana!

Qual o segredo para a Animale estar posicionada como uma marca de nível internacional?

Nunca ter perdido a veia comercial. A Animale atende a uma mulher de carne e osso, do dia a dia, nos seus vários momentos e necessidades. Ao mesmo tempo, construímos uma imagem de marca de classe e sofisticação. Normalmente, as marcas que caminham para um trabalho de sofisticação perdem um pouco sua característica comercial. Nunca permitimos que isso acontecesse. Temos o cuidado de fazer um produto acessível ao consumidor, da passarela para o cotidiano das mulheres. Esse é o sucesso da marca.

E as coleções de joias da Animale?

Há 10 anos comecei um projeto paralelo com joias e agora demos um foco maior para esse business. Lá fora as marcas de moda assinam sua própria linha. Não é uma tarefa fácil, pois exige conhecimento e maquinário. Comecei aos pouquinhos, fazendo esse trabalho para poucas clientes e deu certo. Temos nas lojas uma seção que chamamos Gallery, onde as peças ficam expostas. Só este ano acumulamos um crescimento de 70%. Hoje faço coleções de joias e isso já ganhou um tamanho maior dentro da empresa.

O conceito das joias está ligada ao da moda?

Não me prendo a temas mas à estética. Te nho uma estética de geometria, mais limpa, minimalista, uma joia para o dia a dia, para que a cliente use com as roupas da marca. A referência Art Déco me traz muita inspiração, não me prendo à moda. Mas o tema da coleção da Animale agora é Africa e fiz uma extensão para as joias, como braceletes com gravação a laser muito delicada de animal print e brincos. São best sellers. Hoje em dia tenho 35 pontos Animale que vendem joias.

Novos projetos?

Queremos fazer a A Brand se espalhar pelo Brasil, apena 10 pontos de vendas apenas, nas principais capitais, pois é uma marca para ser exclusiva. E a FYI deverá ter uns 50 pontos de venda. E, por que não, o negócio das joias pode crescer a ponto de virar uma marca descolada da Animale. Somos a única marca de moda que assina uma linha de joia.

Pensa em expandir para o mundo dos cosméticos?

Este mês chega às lojas a linha Home, com home spray, essências, velas aromatizadas e pequenos objetos. Já fomos convidados para fazer uma parceria de make up, com esmaltes e maquiagem. Há interesse, sim. Estamos partindo para lojas maiores, em torno de 300 metros quadrados, para que possamos acomodar todas essas operações. Abriremos uma nova loja agora no Village Mall, um shopping incrível a ser inaugurado em novembro, na Barra. Compramos também um ponto grande na Rua Oscar Freire, em São Paulo, onde era a antiga Chocolate. E A Brand vai ocupar o espaço da Animale hoje, na Bela Cintra.

Que cuidados você tem com a beleza?

Não pego muito sol, uso protetor solar, faço ginástica e dieta com nutricionista. Vivo preocupada em comer bem, me alimentar direito. Estou com 45 anos. Cuido do meu cabelo no Espaço Glecciano Luz. Ele é responsável pelo visual de muitos famosos da Globo. Uma vez por mês faço escova London e luzes. Não tenho tempo para entrar numa clínica estética e me submeter a todos os tratamentos maravilhosos que gostaria. E, o que acho muito importante: procuro ter pequenos momentos de lazer.

Que lugares você indicaria no Rio?

Adoro o Arpoador e o restaurante Azul Marinho para tomar um drink e ficar vendo a paisagem incrível. Tenho uma história com O Morro da Urca, que vivenciei desde a minha juventude e até há pouco tempo frequentava. É imperdível. Na Lagoa, o quiosque Palaphita é um lugar que amo à noite, para tomar uma caipirinha. E um espaço mais sofisticado para jantar é o Cipriani, no Copacabana Palace, com aquela piscina incrível. Santa Tereza pra mim é a cara do Rio. Tem um restaurante dentro do Hotel Santa Tereza, o Térèze, que é maravilhoso.

Que famosas são suas clientes?

Juliana Paes, Fernanda Lima, Carolina Dieckmann. Lizandra Souto, Grazi Massafera. São muitas.

A matéria completa você confere na revista Go’ Where Rio 12