Inebriante!

Paloma Bernardi

Dona de olhos enigmáticos, Paloma Bernardi comemora sua nova fase. Ela mudou de emissora, aceitou o desafio de sambar à frente da bateria da escola de samba Grande Rio e está comemorando dois trabalhos no cinema – Apaixonados e Mais Forte que o Mundo: a história de José Aldo – , e sua estreia como vilã na novela A Terra Prometida.

Fotos: Gustavo Marx
Por: Malu Bonetto
Stylist: Rodrigo Polack
Make & Hair: Wilson Eliodório

Paloma BernardiEste é o ano da virada. A atriz Paloma Bernardi, 30 anos, mudou de emis-sora (saiu da Rede Globo e está na Rede Record) e prepara-se para viver sua primeira vilã na novela A Terra Prometida. Além disso, a morena de olhos de gata estreia este mês o longa-metragem Apaixonados. Em entrevista exclusiva a Go Where Luxo, a atriz – filha de mãe pernambucana e pai gaúcho – fala sobre essa nova fase da sua vida e ainda comemora o sucesso no Carnaval carioca: a bela mostrou que tem samba no pé e atravessou a Sapucaí à frente da bateria da Grande Rio.

GW: É seu quarto ano na Grande Rio, mas o primeiro como Rainha de Bateria. Como surgiu o convite?

PB: Sempre fui dedicada. Em tudo na vida mergulho de corpo e alma, e como Rainha não foi diferente – apenas acrescentei algumas funções e detalhes que precisei cumprir durante o desfile. Mas, in-dependentemente do meu posto de Rainha, sou Grande Rio.

GW: Qual a responsabilidade de vir à frente da bateria?

PB: Enorme, represento a escola e a bateria. Faço questão de me manter o mais próximo possível de todos os ritmistas, pois quero ser uma extensão da bateria. É a quarta vez que desfilo para a Grande Rio e o fato de me convidarem para ser Rainha de Bateria aconteceu muito naturalmente, vinda da minha integração com a escola durante tanto tempo.

GW: Mesmo antes de desfilar, já gostava de Carnaval?

PB: Sempre gostei muito de assistir aos desfiles das escolas pela televisão. Quando pisei na Sapucaí pela primeira vez, me encantei. A bateria da Grande Rio sempre me arrepiou.

GW: Qual sua relação com o samba?

PB: Sou uma paulistana apaixonada pelo samba! Quando escuto a bateria tocar, não tem como ficar parada, meu coração pulsa junto. Sou fã daquelas que já nasceram sambando e, hoje, fico feliz por ter um espacinho para viver tudo isso de perto. É uma honra fazer parte dessa festa, desse espetáculo que é o Carnaval.

GW: Onde aprendeu a sambar?

PB: Sempre gostei de dançar de um modo geral. Eu sambava com os amigos na época da faculdade. E para a Sapucaí, especificamente, acionei a professora e passista Kellen Falcão para aprimorar meu gingado. Acho importante sempre se aperfeiçoar, criar uma coreografia em cima do samba enredo e entrar na avenida mais segura. Mas acredito que cada um samba do seu jeito, com sua personalidade, samba como sente a música. Sambar é se divertir!

Paloma BernardiGW: Para exibir esse corpo perfeito na Sapucaí, intensificou os cuidados com a alimentação?

PB: Sempre tive uma alimentação saudável, com a orientação médica do nutrólogo Roberto Navarro (SP). Procuro comer alimentos mais saudáveis, principalmente integrais, comidas sem glúten, sem lactose e, após as 18h, também não como carboidrato. Com a correria do dia a dia, às vezes recorro aos congelados Light Chef, que são práticos e já vêm na quantidade certa para a refeição. Não sou neurótica, uma vez ou outra me permito extrapolar um pouco. Claro que para o Carnaval tive mais disciplina, mas sem exageros. Acredito que manter o equilíbrio é a melhor maneira de se obter uma boa forma.

GW: Qual o segredo para manter o fôlego na Sapucaí?

PB: Durante o ano procuro fazer atividade física três vezes na semana e, quando está perto do Carnaval, faço uma hora e meia de exercícios aeróbicos e depois musculação, todos os dias. Para conseguir manter a disciplina, tenho um personal trainer em São Paulo, o Magno Marco, e outro no Rio de Janeiro, o Edson Mesquita. Às vezes, procuro fazer uma aula de dança.

GW: Agora fica fácil entender por que você coloca tranquilamente fotos de biquíni no Instagram…

PB: De um modo geral, estou feliz com meu corpo. Mas nós, mulheres, sempre achamos que podemos melhorar um pouquinho mais. Nunca quis ficar muito musculosa, sempre procuro manter meu corpo sequinho, definido e feminino.

GW: Você é considerada uma mulher sexy. Concorda?

PB: Ah, não me acho sexy… Na minha vida sou mais moleca, mas deixo a sensualidade aflorar quando necessário, mesmo porque me acho mais interessante de forma natural.

GW: Recentemente, você mudou a cor do cabelo para preto. Está curtindo o novo visual?

PB:Muito. Adoro me ver diferente, mudar a cor do cabelo. Estou me sentindo um mulherão. E nem precisei mudar os cuidados com os fios. Mantenho minha rotina de cuidados com bastante hidratação. Costumo fazer tratamentos exclusivos à base de proteína, aminoácidos e vitaminas no salão Spa Dios, em São Paulo.

GW: Ser filha de uma artista plástica influenciou sua escolha pelo mundo das artes?

PB: Com certeza. Minha mãe foi uma grande influência na minha carreira. A arte que corre nas veias dela pas- sou para as minhas, está no sangue. Meus pais sempre foram os maiores incentivadores da minha vida, eles me mostraram desde pequena o quanto a arte transforma e educa.

GW: Você assinou com a Rede Record e vai estrear como antagonista da próxima novela. Com esse jeito de boneca, acha que será fácil encarar uma vilã?

PB: As vilãs que mais admirei na televisão, no teatro e no cinema são aquelas que não demonstram logo de cara o que são. Elas possuem diversas camadas dentro da sua personalidade. Elas se apresentam como cordeiros e no fundo são lobas! Acho que dar vida a uma vilã ou a uma mocinha tem suas qualidades e desafios.

GW: O que pode adiantar sobre a personagem?

PB: Por enquanto nada, apenas que será uma personagem muito maldosa. Estou lendo as escrituras da Bíblia para me ambientar, entender a cultura, as tradições e os costumes. Estou buscando inspiração em séries também, como na personagem Cersei Lannister, da série americana Game of  Thrones.

GW: Está preparada para ser odiada?

PB: Sim! Quero que o público me odeie muito.  Se isso acontecer, terei atingido meu objetivo.

GW: Ainda este ano você estará nas telonas com Apaixonados e Mais Forte que o Mundo: a história de José Aldo.

PB: O filme Apaixonados é uma comédia romântica na qual três casais se encontram e tentam ficar juntos durante o Carnaval, que é muitas vezes a causa dos conflitos ao longo do filme. A minha personagem, Sabine, é rainha de bateria e está sempre tentando projetar uma boa imagem de si própria para a comunidade. Já em Mais Forte que o Mundo, faço a manauara Luiza, a primeira namorada de José Aldo. A história gira em torno da trajetória dele, que teve origem na periferia de Manaus e depois se firmou como lutador do MMA. Ainda não tem data prevista de estreia.