Mariana Ximenes. Estrela Premiada.

Mariana Ximenes

Um cemitério de animais.

Um cemitério de animais. É nesse inusitado cenário que começa o romance entre Arnaldo (Vladimir Brichta) e Josie (Mariana Ximenes) no filme Um homem só. Enquanto Arnaldo vive um homem insatisfeito com o casamento e o trabalho, e procura uma clínica que produz cópias de seres humanos, Josie é uma bela ruiva que trabalha com a tia num cemitério de cachorros. “Eu nem sabia que existia cemitério de cachorro. Descobri quando a Claudinha (Claudia Jouvin, diretora do longa) contou que essa ideia foi baseada numa história da família dela. A Josie é irreverente, tem um mundo interno imenso. É uma personagem de caracterização que já foi idealizada ruiva e cheia de sardas”, diz Mariana, que também é coprodutora do filme. “Estou nesse projeto desde o embrião. Essa história nasceu quando eu, Claudinha e Maria (Carneiro da Cunha, produtora) estávamos juntas, num jantar, conversando sobre cinema. Somos muito amigas há bastante tempo. Eu falava sobre minha vontade de fazer personagens instigantes, que fossem diferentes de mim e diferentes uns dos outros. A Claudinha disse, então, que tinha o argumento de um filme e nos contou, ali. Minha reação foi imediata e cinco anos depois começamos as filmagens.”

“Josie é uma chata adorável”

Mariana Ximenes

Mariana caracterizada como a coveira Josie: quatro
horas diárias para deixá-la ruiva e cheia de sardas. Foto: Paprica Fotografia

Para aparecer com os fios ruivos e sardas delicadas, Mariana precisou de quatro horas de caracterização todos os dias durante as gravações. O chefe de caracterização Martin Trujillo idealizou esse visual e fez isso de maneira detalhista. Ele “carimbava” as sardas maiores com uma esponja e depois ia fazendo as menores, uma a uma. Tanto que, para a cena de sexo entre Josie e Arnaldo, ele fez o corpo inteiro da Mariana. “Criamos uma atmosfera para criar a personagem. Claudinha separou várias músicas de inspiração que já começava a ouvir enquanto Martin me maquiava. Filmamos em janeiro, era um calor descomunal, o que só tornava o trabalho dele mais difícil. Josie é uma jovem defensiva no amor, teve muitas perdas na vida. Mas, aos poucos, quando se apaixona, vai ficando mais ‘molinha’. O legal é que o fato de ela amolecer não tira sua rebeldia.”

“Sou coprodutora, mas na hora de filmar sou a atriz”

Mariana conta que ser coprodutora de um filme é algo que começa pequeno e vai tomando corpo, vai transbordando. “Cada pessoa que entra no time acrescenta algo importante. CINEMA Mariana Ximenes Participei de algumas decisões, ajudei a escolher pessoas da equipe e do elenco. Estava muito perto do processo e as decisões foram tomadas a partir da opinião de nós três (Maria, ela e a Claudinha)”. Mas essa não foi a primeira produção da atriz. Há dois anos ela produziu uma peça e, no momento, está coproduzindo a comédia Depois de Você, de Marcus Ligocki. “A profissão do ator depende muito da espera de convites, por isso é bom ficar ativa no processo, tomar as escolhas para si. Mas é claro que na hora de filmar eu sou a atriz. Não confundo as funções. É preciso separar os problemas, ter outros produtores parceiros para não tirar a concentração.”

“O elenco é repleto de bons profissionais e boas pessoas”

Contracenando pela terceira vez no cinema com Vladimir Brichta, Mariana diz que ele é um parceiro incrível, um ator admirável, com muito vocabulário, muito repertório de atuação. “Ele é um encanto, sábio, inteligente, rápido, sagaz e generoso. Claudinha soube escolher os profissionais para o filme. Ela se cercou de pessoas muito competentes, que além de bons profissionais, são boas pessoas. Como ela costuma dizer: ‘eu não vim nessa vida para me aborrecer’.”