Penélope Cruz e os novos desafios na carreira

E sensual, linda, poderosa, talentosa… São muitos os adjetivos que cabem como uma luva na atriz espanhola, hoje hollywoodiana, Penélope Cruz. Porta-voz da Lancôme, multinacional francesa de cosméticos, e em processo de gravação da terceira temporada de American Crime Story, onde viverá Donatella Versace, Penélope fala sobre cuidados com o visual e sua brilhante carreira.

Por: Cibele Carbone

Aos 43 anos, Penélope Cruz só tem motivos para comemorar. Dona de uma carreira meteórica no cinema – estrelou sucessos como Vicky Cristina Barcelona e Piratas do Caribe – Navegando em Águas Misteriosas –, a atriz espanhola volta a atrair os holofotes. É que a morena irá interpretar Donatella Versace, irmã do estilista Gianni Versace, assassinado na porta de sua casa em 1997, no seriado americano American Crime Story, que tem previsão de estreia no ano que vem. Além disso, está em dois longas que vão entrar em cartaz em breve – Assassinato no Expresso do Oriente, que estreia em 23 de novembro, e Loving Pablo, que fala sobre o romance da jornalista Virginia Vallejo com o narcotraficante Pablo Escobar e tem estreia prevista para dezembro deste ano. Isso sem falar que ela está na fase mais plena de sua beleza. Dona de traços marcantes, Penélope não precisa fazer esforço para ficar bonita e transbordar sensualidade. Parece que isso é nato da atriz, porta-voz de uma das mais importantes marcas de beleza do mundo – a francesa Lancôme. “É uma honra colaborar com uma marca que admiro tanto desde que era adolescente. Minha mãe e minha avó tinham alguns dos produtos da marca em minha casa em Alcobendas.” Vaidosa, ela revela que sempre teve uma quedinha pelo cheiro dos batons da Lancôme. “Eles têm um aroma de pó de talco… Mesmo estando certa de que as fórmulas estão sempre mudando, adoro o fato de que o aroma é praticamente o mesmo e espero que nunca mude. Para muitas pessoas, assim como para mim, ele nos leva de volta ao passado, a um lugar muito confortável.”

GW: A forma como cuida de si mudou com o passar do tempo?
PC: Desde que me tornei mãe, aumentou meu interesse em nutrição. Devoro bons livros e relatórios sobre o que fazer para seguir a melhor alimentação possível e pesquiso sobre coisas que antes não me interessavam. Uma boa alimentação é uma das melhores medidas da medicina preventiva que se pode tomar: isto muda tudo, coloca as peças do quebra-cabeça em seu lugar. Esta é a base. Se ela não é sólida, o resto fica mais complicado.

GW: Que hábitos fazem parte da sua alimentação?
PC: Beber bastante água, beber pouquíssimo álcool, não seguir dietas e comer um pouco de tudo, desde que saudável.

GW: A combinação exercício com ótima alimentação contribui muito para a aparência física…
PC: Sim, de fato. Quando me perguntam por que a minha pele está tão boa, respondo que a principal responsável é a alimentação equilibrada e sensata que tenho e que, aliás, não é nem um pouco tediosa.

GW: Qual a coisa mais importante na sua rotina de maquiagem?
PC: A hidratação da pele e dos lábios, além de aplicar um pouco de blush e delineador. Na minha vida diária e em casa, procuro o mais prático, não apenas em maquiagem, mas também em termos de roupas e sapatos.

GW: A sua vida profissional lhe traz muitas alegrias. Tem dois filmes com estreia prevista para este ano e está filmando uma série de televisão. Por partes: em Loving Pablo, você interpreta Virginia Vallejo, a amante do traficante colombiano Pablo Escobar, interpretado por Javier Bardem.
PC: Filmamos Loving Pablo na Colômbia e foi uma experiência intensa. Os personagens são fortes e conheci-dos, quase todo mundo tem uma imagem deles. Mas o tema da violência me afetou de uma forma especial e o vivenciei com muita responsabilidade. A chave era refletir no filme a violência que existe no ambiente do narcotráfico de forma realista, que não parecesse uma violência superficial do tipo videogame.

GW: Escobar parece estar na moda. Nos últimos tempos, foram feitas várias séries e filmes sobre ele.
PC: Sim, não pode haver um personagem mais sugestivo. Mas há um detalhe que distingue o nosso filme: Loving Pablo é, também, uma história de amor. O filme ressalta o romance entre Escobar e Virginia Vallejo. Quando Virginia, a minha personagem, iniciou a relação, não tinha ideia de onde estava se metendo ou como a vida dela iria mudar. Quando quis sair, percebeu que era impossível. Foi um dos personagens mais intensos que interpretei.

GW: Em Assassinato no Expresso do Oriente, a nova adaptação do romance de Agatha Christie, que foi dirigido por Kenneth Branagh, você interpreta a personagem que, na versão de Sidney Lumet, de 1974, foi interpretada por Ingrid Bergman…
PC: Kenneth Branagh nos pediu para não assistirmos ao filme de Lumet novamente ou, pelo menos, não fazermos nada parecido. Ele queria começar do zero. Voltei a ver o filme, mas com um olho fechado e outro aberto porque é verdade que foi um impacto para mim o fato de que Ingrid havia havia ganhado um Oscar com esse papel. Procurei seguir as instruções de Kenneth, no sentido de esquecer tudo o que sabíamos e começar de novo. Ele fez seu próprio filme e, apesar de a história ser conhecida, vai parecer muito original.

GW: Pela primeira vez, você vai filmar uma série de televisão, onde interpreta Donatella Versace.
PC: É um trabalho que estou vivendo de forma especial. Tenho uma relação de longa data com a casa Versace e Donatella é uma das pessoas mais generosas que conheço. Tenho um carinho muito grande por ela.

GW: A série é centrada na Donatella dos anos 90?
PC: Sim, e estou fazendo muita pesquisa. Não quero fazer uma imitação, mas quero, sim, capturar sua essência.

GW: Até que ponto é importante a preparação da personagem?
PC: É fundamental. Sem esse processo, meu trabalho ficaria fraco. Eu tendo a apresentar ao diretor uma proposta sobre como interpretar o meu personagem mas, como é natural, às vezes as minhas ideias são aceitas e outras não. Mas sem este processo de preparação, sentiria que meu trabalho permaneceria fraco.