Cresce interesse de brasileiros por imóveis do sul da Flórida

florida

Preços atraentes e opções de lazer tornam mercado imobiliário americano uma ótima alternativa de investimento

florida

O mercado de imóveis americano está cada vez atraente aos compradores brasileiros. A desproporção de preços do sul da Flórida em relação aos do Brasil, a queda no preço dos imóveis americanos, devido à crise imobiliária nos Estados Unidos, e a grande demanda de pessoas que preparam seus destinos de férias para conhecer os pontos turísticos da Flórida são fatores determinantes para esse cenário.

Segundo Glima Evangelista, corretor de imóveis em Miami, muitos brasileiros compram imóveis no sul da Flórida para investir e para lazer, visando aproveitar a oportunidade do momento e em ter alto retorno no médio prazo. “Devido à queda no valor dos imóveis que não foram vendidos na alta imobiliária, investir em imóveis na Flórida tem sido uma opção muito lucrativa. Além de ganharem uma excelente opção para viajar, o investimento é seguro, uma vez que os imóveis na Flórida estão se valorizando e também os ganhos com o aluguel para veraneio são bastante satisfatórios”, conta.

De acordo com Evangelista, existe um público, com poder aquisitivo maior, que tem investido fortemente em condomínios bem estruturados e perto das praias. “Um público mais restrito de brasileiros de alta renda, busca imóveis de valores que variam de US$ 500 mil a US$ 5 milhões, especialmente em Miami e outras cidades da Flórida. Além de terem segurança, qualidade de vida, opções culturais e bons preços, estão próximos de lindas praias, centros de compras e parques”, diz.

Um corretor imobiliário é um elo importante entre comprador e vendedor no momento de investir em imóveis no exterior. “Contrate um profissional especializado e que tenha experiência na compra de imóveis, em toda a documentação, código de ética e conheça todos os princípios do país onde está o imóvel. É uma opção que ajudará a garantir que todas as questões técnicas sejam atendidas com qualidade”, conclui Glima.