Eu quero doce!

Entenda os motivos que fazem uma pessoa ter uma vontade incontrolável de comer doce

 

Estresse, TPM, alterações genéticas, baixa concentração de glicose no sangue, gula, abstinência de cigarro e até mesmo a força do hábito são alguns motivos para que as pessoas se rendam ao primeiro doce que encontram pela frente. Mas a boa notícia é que não é necessário eliminar o doce da alimentação. É preciso apenas prestar atenção no controle desse consumo, pois assim como acontece com qualquer outro nutriente, o excesso pode ser prejudicial à saúde.

Doce chocolateO consumo de carboidratos, como é o caso do açúcar, aumenta a absorção de triptofano, um aminoácido essencial utilizado pelo cérebro para produzir a serotonina, um neurotransmissor que interfere em algumas funções: o início do sono, sensibilidade à dor, o controle do humor e a sensação de prazer e bem-estar. Outras explicações para a vontade de comer doces podem ser as alterações genéticas e o hábito. De acordo com o Dr. Marcio Mancini, endocrinologista e responsável pelo Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital das Clínicas da USP, “diferenças genéticas nos receptores de sabor amargo, gorduroso ou doce nas papilas gustativas da língua podem fazer com que indivíduos já nasçam com maior preferência por alimentos doces”, explica.

Portanto, quando a vontade por produtos açucarados deixa de ser eventual e passa a ser constante é preciso tomar cuidado, pois pode ser um sinal de compulsão alimentar. O transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP) é uma doença psiquiátrica caracterizada por episódios descontrolados de alimentação, que acontecem pelo menos uma vez por semana durante três meses.

Comportamentos compulsivos podem ser causados, entre outros motivos, pela privação de alimentos, como muitas vezes acontece com os doces. Neste caso, as dietas muito restritivas que pregam a eliminação do carboidrato, por exemplo, podem causar comportamentos compulsivos. “O ideal é que nenhum alimento seja eliminado do cardápio e que a alimentação seja equilibrada, a não ser que exista uma razão médica”, diz o Dr. Mancini.

Assim, é melhor comer um doce quando se tem vontade do que tentar enganar o organismo com outras opções consideradas mais saudáveis.  O ideal é ficar atendo às quantidades ingeridas e caso você perceba um descontrole, procure o auxílio de um nutricionista ou de um médico especialista.