O poder da Pantera

Cartier Panthère

A nova boutique da Cartier – terceira da marca no Brasil –, inaugurada no Shopping Iguatemi há três meses, já é a menina dos olhos da grife.

Em paralelo a essa grande inauguração, a marca acaba de lançar o livro Panthère, que narra a história do felino criado por Jeanne Toussaint, aborda as técnicas envolvidas na produção das joias e elucida a influência desse poderoso símbolo nos universos da moda, do design e da cultura.

Por: Lilian Anazetti Pimentel

Livro Cartier PanthèreO clima é de festa na Cartier Brasil com a abertura da nova loja e com o lançamento do livro Cartier Panthère – em homenagem aos 100 anos da criação de sua famosa pantera, – resultado da parceria entre a Cartier e a editora Assouline. Sinônimo de poder, sedução e triunfo, a pantera é um dos animais mais preciosos do zoológico da Cartier. O livro conta a história do felino criado por Jeanne Toussaint quando ela ainda era designer de acessórios da maison. O sucesso foi tanto que Jeanne foi promovida e terminou virando diretora criativa da joalheria, anos depois.

Diferentemente de outros livros sobre joias, a obra se distancia do formato de catálogo e traz a história da pantera na arte e na cultura – de pinturas de 30 mil anos nas paredes de cavernas à Pantera Cor-de-Rosa –, devidamente ilustrados com belas fotografi as e croquis dos arquivos da marca. Para fazer essa análise, a obra reúne textos da historiadora de arte Berenice Geoffroy-Schneiter, da historiadora de joias Vivienne Becker, da especialista em joias Joanna Hard e do editor de moda André Leon Talley. Juntos, eles narram a infl uência da pantera na moda, no design e na cultura popular.

Fachada Cartier

Fachada da Cartier em Nova York em 1922.

Nova reduto brasileiro

Outro grande marco da grife este ano foi a abertura da maior boutique do Brasil – em São Paulo, no Shopping Iguatemi, com 290 m² distribuídos em dois andares. Para Maxime Tarneaud, diretor geral da Cartier no país, essa inauguração representa um grande passo no processo de expansão da marca. “Era um sonho antigo. Hoje, a Cartier se sente completa com a nova boutique. É a certeza de que a maison pretende continuar investindo nesse relacionamento, que começou em 1977”. A Cartier, inclusive, é a segunda marca de luxo com mais presença no Brasil. “O mercado brasileiro é um dos que mais cresce para a Cartier.”

Mesmo em tempos de crise, Maxime confirma o crescimento da marca este ano já em dois dígitos, beneficiadas pelo aumento do dólar. “Sentimos o momento ruim, mas, por outro lado, com o câmbio alto, nosso cliente acaba viajando menos e, portanto, opta por comprar no Brasil, ainda mais quando percebe que a diferença de preços não é a que ele achava que fosse”. De fato, os preços têm uma diferença, em média, de apenas 15% se com-parados aos Estados Unidos. “A Cartier tem um posicionamento agressivo no Brasil para equiparação de preços. Hoje está quase mais barato comprar aqui do que lá fora. Outra coisa importante é o atendimento: o brasileiro é bem sensível nesse ponto, gosta de ser paparicado pelo vendedor, de ficar à vontade, sem a barreira da língua.”

Simplesmente um luxo

Cartier PanthéreO mercado de luxo brasileiro movimentou cerca de 3 bilhões de euros no ano passado e, independentemente da queda na economia, outra grife importante também acaba de abrir uma loja no shopping Iguatemi. É a estreia da Saint Laurent.

“Somos um dos raros países que não têm turistas consumindo, ou seja, cem por cento dos clientes são brasileiros, isso faz com que o mercado seja ainda mais sofisticado. Se você só lida com o cliente local, tem de fazer um trabalho de fidelização muito forte, criar vínculos”, observa Maxime. “Tenho boas expectativas com relação à expansão desse mercado aqui no Brasil. Ele nunca vai ser como a Rússia ou a China, por exemplo, mas tem potencial. Mesmo longe do eixo Rio-São Paulo, percebo que temos cada vez mais clientes de fora, com poder aquisitivo”, diz Maxime, citando as praças de Brasília, Curitiba e Belo Horizonte como as mais relevantes. “Nos próximos dois ou três anos queremos consolidar nossas boutiques. Por outro lado, temos a distribuição de relógios aos concessionários, o  que nos permite ver a temperatura das outras cidades. São 22 pontos de vendas e o  próximo passo é dar um upgrade nessas lojas e personalizar cada vez mais os espaços da Cartier”, observa o executivo.

A joia número um do mundo

Cartier PanthéreDo mais clássico ao mais moderno, a Cartier se consolidou como a joia número um do mundo desde que foi fundada em Paris, em 1847, pelo mestre-joalheiro Louis-François Car-tier. Atualmente, a maison possui 300 boutiques próprias espalhadas pelos continentes. De todas as joias produzidas, as mais valiosas são feitas em Paris, num ateliê que ÿ ca sobre a boutique. É de lá que saem alguns ícones da grife, como a pulseira Love e o anel Trinity. “Luxo é qualidade, não só do produto, mas de tudo o que acontece antes e depois da produção de cada peça e de cada venda.”