H.Stern – Uma pedra de valor

08


Hans Stern (1922-2007), um jovem judeu alemão que chegara ao Rio de Janeiro em 1939, fugindo do nazismo, tinha 23 anos e era datilógrafo numa empresa que importava e lapidava pedras preciosas, quando se apaixonou por elas – e foi atraído pela riqueza gemológica do país que o acolheu. Passou a viajar por todo o Brasil, comprando pedras direto dos garimpeiros, sem saber que estava começando a revolucionar o setor de joalheria no Brasil. Em 1945, surge a H. Stern e, desde então, a H.Stern só fez crescer e é agora a maior joalheria do Brasil e da América Latina, com enorme prestígio internacional. A primeira loja da marca ficava bem próxima ao porto, onde chegavam luxuosos navios e seus abastados viajantes. Sua exigência na qualidade era quase obsessiva e o fez trazer da Europa, na década de 40, técnicos em lapidação e joalheria para prestarem serviço para sua empresa. Em 1947 criou o Certificado de Garantia Internacional para comprovar a qualidade de suas joias. Hans bolou ainda inovadoras estratégias para atrair a clientela de turistas que vinham à cidade. Passou a oferecer uma visita guiada à oficina para que os visitantes acompanhassem passo a passo todo o criativo processo de fabricação de uma joia. Contestava os que diziam que as pedras brasileiras eram semipreciosas, sob a alegação de que não existem pessoas semi-honestas. O primeiro desfile de joias do Brasil foi organizado pela marca em 1959, ano em que a H. Stern foi a única marca latino-americana a participar da Exposição de Joias Modernas no Victoria and Albert Museum de Londres.
A respeitada revista Time publicou, em 1964, um artigo no qual se referiu a Hans Stern como “o rei das pedras coloridas” e a empresa vem sendo destaque desde então em incontáveis meios de comunicação como Financial Times, The New York Times, Elle, Marie Claire, Vogue, Harper’s Bazaar.
Hans Stern despertou o olhar e o interesse do mundo pelas pedras preciosas coloridas. Graças à sua paixão e ao seu bem-sucedido negócio, turmalinas, ametistas, águas-marinhas e topázios não foram ofuscadas pelos já valorizados diamantes, rubis, safiras e esmeraldas. Com o trabalho de Hans ganharam o título de “pedras coloridas brasileiras”.

Em 1975 foi realizado pela primeira vez um Trunk Show da H.Stern. Desde então, anualmente, os clientes da marca podem trazer suas peças de ouro e trocá-las como parte do pagamento na compra de uma nova joia, a um valor maior que o de mercado. Tamanho foi o sucesso que a ideia foi copiada dentro e fora do País. Ipanema foi o bairro escolhido para, em 1983, abrigar a nova sede da empresa. O prédio foi planejado para abrigar as várias áreas envolvidas na manufatura e varejo de joias finas. No mesmo ano, Hans inaugurou seu museu particular de pedras brutas, espécimes raros e criações premiadas que abriga ainda uma impressionante coleção pessoal de turmalinas, com todas as tonalidades conhecidas da pedra, em mais de 1.100 exemplares.
A H.Stern, no entanto, atingiu o auge de sua notoriedade com a Coleção Catherine Deneuve, inspirada pela diva do filme A Bela da Tarde de Buñuel. Rapidamente as joias e as iniciais da musa, “CD”, gravadas em diamantes, adornavam mulheres estilosas no mundo todo. A marca foi a primeira joalheria do mundo a lançar coleções inspiradas em celebridades. A coleção seguinte foi com o artista plástico italiano Roberto Moriconi, que esculpiu e gravou pessoalmente cada peça exclusiva.
As coleções e o conceito de joalheria de design enobreceram ainda mais a imagem da empresa que, na década de 90 passou por uma significativa reestruturação.
Sob o comando de Roberto Stern, presidente da marca e filho mais velho de Hans, a H.Stern cria inovações tecnológicas e novas técnicas para lapidação e polimento de pedras e se moderniza ao incorporar tendências de moda, estilo e comportamento. Lança coleções inspiradas em personalidades como a consultora de moda Constanza Pascolato, os designers Fernando e Humberto Campana, o arquiteto Oscar Niemeyer. A coleção mais recente tem como tema o filme Alice no País das Maravilhas.

Fazendo a hora
Com alto investimento no desenvolvimento de relógios, a H.Stern expandiu seus negócios montando infraestrutura de fabricação na Suíça e arrebatando prêmios mundiais com exemplares que fazem parte da história da marca. A primeira coleção Safira teve seu lançamento em 1985 e é até hoje um dos itens mais vendidos da marca. Atualmente seus relógios e joias são comercializados em 32 países. São 150 lojas administradas pela família e aproximadamente 140 pontos de venda gerenciados por parceiros comerciais. O presidente da empresa, Roberto Stern, herdou a paixão por desenvolvimento de produtos e estratégias de marketing. O segundo filho de Hans, Ronaldo Stern, é vice-presidente da empresa e membro do conselho, junto com Ruth Stern e os outros dois irmãos, Rafael e Ricardo Stern. Para dar continuidade ao sucesso da joalheria e trazer expansão e modernização, a família Stern conta com uma equipe global de cerca de 2.800 profissionais que trabalham mantendo os valores transmitidos por Hans Stern há 65 anos e lapidando como artesãos o futuro da marca.